Com a sede do Sindicato lotada, os trabalhador@s da saúde aprovaram, na última sexta-feira (09/06), as propostas de dois grupos patronais - Sindhosp e Sinpavet, de 4% de reajuste nos salários e em todas as cláusulas econômicas a partir de 1º de maio. Com isso, os trabalhador@s desses grupos recompõem a inflação (INPC) do período, que ficou em 3,99%. Na mesma assembleia, a proposta do Sindhosfil, de parcelar em duas vezes os 4%, foi rejeitada.

Já o Sinamge/Sinog, que representm as empresas de medicina de grupo e de odontologia privada, não se manifestaram e, por isso, os trabalhador@s aprovaram o Aviso de Greve. “Não foi por falta de insistência de nossa parte que o Sinamge/Sinog não se manifestou. Nossa data-base já passou há quase dois meses e não é possível ficar esperando o resto do ano que esses patrões apresentem uma proposta, vamos à luta”, disse o presidente do SindSaúde aBC, Almir Rogério Mizito.

Parabéns – Segundo o dirigente, os trabalhador@s cujas empresas são vinculadas ao Sindhosp e Sinpavet estão de parabéns. “Eles vão ter a recomposição integral da inflação de uma só vez, a partir da data-base. Isso é uma vitória, se considerarmos que há sindicatos que fecharam acordo com os 4% parcelados”, afirmou.

O Sinpavet, que representa hospitais e clínicas veterinárias, além dos 4%, também concedeu um aumento de 25% na cesta básica, que passa de R$ 120,00 para R$ 150,00. “Essa é outra conquista importante”, avaliou.

Fundação do ABC -  A situação dos trabalhador@s da Fundação do ABC ainda é complicada. No ano passado, a proposta da empresa foi rejeitada e o Sindicato entrou com Ação de Cumprimento na Justiça, para que a FUABC siga as cláusulas do Sindhosp.

Até o momento da assembleia a decisão do TRT ainda não havia sido divulgada. Hoje (12/06), com a divulgação da sentença, os advogados do Sindicato estão analisando o resultado e assim que a entidade tiver a posição jurídica, divulgará os encaminhamentos.

A direção do Sindicato pede para que os trabalhador@s envolvidos tenhma calma e paciência, para evitar divulgação de informações equivocadas. “Qualquer decisão política será tomada em conjunto com os trabalhadores”, concluiu o presidente do Sindicato.

Texto:  Maria Helena Domingues, jornalista do SindSaúde ABC

Foto: Douglas Ferreira